quarta-feira, 20 de maio de 2009

Discriminação e Preconceito Geográfico

Estou falando com Gabriel, já faz um tempo sobre o descaso da mídia brasileira sobre as chuvas no N/NE. Veja, aqui do Chile, eu sei mais sobre o que passa no Norte e Nordeste do Brasil do que pelos meios de comunicação que acompanho.


Os telejornais e jornais impressos daqui trazem quase todos os dias uma nota ou informação sobre a tragédia. A mesma quantidade de informação de um jornal brasileiro que leio sempre. Só que aqui é outro país.


O que me causa tanta raiva, sim amigos, raiva, é que quando isso se passou no sul 'branco', em Santa Catarina, a mídia se portou de forma tão sensacionalista que me dava engulhos. Eu sempre perguntava, quando alguém me mandava links sobre como ajudar, se fariam o mesmo por causa da seca no Nordeste. E ouvi, e li, muitas vezes, que eu era uma pessoa sem coração. Agora, eu não vejo nenhuma comoção por causa do N/NE. Só eu sou a sem coração?


Não, eu não sou uma pessoa sem coração, acho. Só que penso que não se deve ter dois pesos e duas medidas para estas situações. Somos todos brasileiros. Ou não? Acredito que somos todos iguais, independente de onde se está no mapa. Ou as pessoas do N/NE estão sofrendo menos que o povo de Santa Catarina sofreu? Será que por estarem acostumadas com a seca, essas pessoas – quem sentem fome, frio, desatenção – não merecem ajuda? A posição geográfica de uma pessoa faz com que ela seja menos ou mais ser humano?


Eu tenho vergonha de ser de São Paulo ás vezes. Muita vergonha. Porque a gente (o povo do sul e do sudeste) se esquece de onde é que viemos. Onde foi que o Brasil e nasceu e tal. O Brasil começou no Nordeste, lembrem-se. Não começou no sul do país, e muito menos começou com a imigração do século 19.


As pessoas em São Paulo pensam que todo e qualquer nordestino é baiano, coisa comum entre os ignorantes, e infelizmente, a maioria dos paulistas/paulistanos. Pensam também que o Nordeste é pobre, feio e mal educado, que de lá só chegaram os migrantes para estragar São Paulo e todas essas coisas que eu tinha que escutar diariamente quando estava no Brasil. Já ouvi até dizerem que São Paulo era muito bonita antes dos 'baianos' migrarem para lá. Já ouvi um monte de absurdos.


E isso me aborrece. Muito. Porque, ao menos para mim, não importa se você é de marte ou da conchichina. Fronteira, estados, regiões, países. Todo mundo é igual. Não vou te tratar de forma diferente só porque você tem um sotaque diferente do meu.


Não, a mídia não dá, e nem dará destaque algum sobre o que se passa no Nordeste do país. Porque para eles não importa. Acredito que, por a grande mídia brasileira ser toda do S/SE do Brasil, isso esteja passando. Porque as pessoas e eu diria que os jornalistas também, do S/SE enxergam o N/NE como um grande bolsão de pobreza, que não contribuem, aliás, que atrapalham o desenvolvimento do nosso país. Santa Ignorância Batman!


Dois posts do Gabriel sobre como ajudar as pessoas que precisam. Só tive informações dele sobre como fazer isso, e isso é tudo que eu posso fazer:


****

PS: desculpe pelos porquês bizarrões. Eu não sei e nunca saberei usar os porquês. Em espanhol é bem mais fácil: Por qué quando se pergunta e Porque quando se responde. :P


.

Um comentário:

Marcus Vinicius Bonfim disse...

Realmente Vivis, a situação lá no Nordeste está phoda, minha família é toda da Bahia e ficamos apreensivos, inclusive já separei roupas pra mandar pro Maranhão e pro Piauí, lá está muito pior!
Beijos, Marcus.